Livro do Filemom - Capítulo 1

 Livro do Filemom - Capítulo 1

1Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, também nosso colaborador,

2e à irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa,

3graça e paz a vós outros, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

4Dou graças ao meu Deus, lembrando-me, sempre, de ti nas minhas orações,

5estando ciente do teu amor e da fé que tens para com o Senhor Jesus e todos os santos,

6para que a comunhão da tua fé se torne eficiente no pleno conhecimento de todo bem que há em nós, para com Cristo.

7Pois, irmão, tive grande alegria e conforto no teu amor, porquanto o coração dos santos tem sido reanimado por teu intermédio.

8Pois bem, ainda que eu sinta plena liberdade em Cristo para te ordenar o que convém,

9prefiro, todavia, solicitar em nome do amor, sendo o que sou, Paulo, o velho e, agora, até prisioneiro de Cristo Jesus;

10sim, solicito-te em favor de meu filho Onésimo, que gerei entre algemas.

11Ele, antes, te foi inútil; atualmente, porém, é útil, a ti e a mim.

12Eu to envio de volta em pessoa, quero dizer, o meu próprio coração.

13Eu queria conservá-lo comigo mesmo para, em teu lugar, me servir nas algemas que carrego por causa do evangelho;

14nada, porém, quis fazer sem o teu consentimento, para que a tua bondade não venha a ser como que por obrigação, mas de livre vontade.

15Pois acredito que ele veio a ser afastado de ti temporariamente, a fim de que o recebas para sempre,

16não como escravo; antes, muito acima de escravo, como irmão caríssimo, especialmente de mim e, com maior razão, de ti, quer na carne, quer no Senhor.

17Se, portanto, me consideras companheiro, recebe-o, como se fosse a mim mesmo.

18E, se algum dano te fez ou se te deve alguma coisa, lança tudo em minha conta.

19Eu, Paulo, de próprio punho, o escrevo: Eu pagarei -- para não te alegar que também tu me deves até a ti mesmo.

20Sim, irmão, que eu receba de ti, no Senhor, este benefício. Reanima-me o coração em Cristo.

21Certo, como estou, da tua obediência, eu te escrevo, sabendo que farás mais do que estou pedindo.

22E, ao mesmo tempo, prepara-me também pousada, pois espero que, por vossas orações, vos serei restituído.

23Saúdam-te Epafras, prisioneiro comigo, em Cristo Jesus,

24Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores.

25A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito.