Livro do Provérbios - Capítulo 10

 Livro do Provérbios - Capítulo 10

1Provérbios de Salomão. O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe.

2Os tesouros da impiedade de nada aproveitam, mas a justiça livra da morte.

3O SENHOR não deixa ter fome o justo, mas rechaça a avidez dos perpos.

4O que trabalha com mão remissa empobrece, mas a mão dos diligentes vem a enriquecer-se.

5O que ajunta no verão é filho sábio, mas o que dorme na sega é filho que envergonha.

6Sobre a cabeça do justo há bênçãos, mas na boca dos perpos mora a violência.

7A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perpos cai em podridão.

8O sábio de coração aceita os mandamentos, mas o insensato de lábios vem a arruinar-se.

9Quem anda em integridade anda seguro, mas o que perverte os seus caminhos será conhecido.

10O que acena com os olhos traz desgosto, e o insensato de lábios vem a arruinar-se.

11A boca do justo é manancial de vida, mas na boca dos perpos mora a violência.

12O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões.

13Nos lábios do prudente, se acha sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de senso.

14Os sábios entesouram o conhecimento, mas a boca do néscio é uma ruína iminente.

15Os bens do rico são a sua cidade forte; a pobreza dos pobres é a sua ruína.

16A obra do justo conduz à vida, e o rendimento do perpo, ao pecado.

17O caminho para a vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona a repreensão anda errado.

18O que retém o ódio é de lábios falsos, e o que difama é insensato.

19No muito falar não falta transgressão, mas o que modera os lábios é prudente.

20Prata escolhida é a língua do justo, mas o coração dos perpos vale mui pouco.

21Os lábios do justo apascentam a muitos, mas, por falta de senso, morrem os tolos.

22A bênção do SENHOR enriquece, e, com ela, ele não traz desgosto.

23Para o insensato, praticar a maldade é divertimento; para o homem inteligente, o ser sábio.

24Aquilo que teme o perpo, isso lhe sobrevém, mas o anelo dos justos Deus o cumpre.

25Como passa a tempestade, assim desaparece o perpo, mas o justo tem perpétuo fundamento.

26Como vinagre para os dentes e fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam.

27O temor do SENHOR prolonga os dias da vida, mas os anos dos perpos serão abreviados.

28A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perpos perecerá.

29O caminho do SENHOR é fortaleza para os íntegros, mas ruína aos que praticam a iniqüidade.

30O justo jamais será abalado, mas os perpos não habitarão a terra.

31A boca do justo produz sabedoria, mas a língua da perpidade será desarraigada.

32Os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos perpos, somente o mal.